Voltar

A Incontinência Urinária na Menopausa

 

Por Marilyn Suttle. 

Além de estar sofrendo de sudoreses noturnas, ondas de calor, secura vaginal você ainda precisa se preocupar com o fato de estar perdendo a urina involuntariamente. Bem-vindo à transição para a menopausa, fase muitas vezes denominada perimenopausa. A perimenopausa é aquela época da vida em que o ciclo menstrual fica bastante alterado devido as mudanças hormonais até que em um dado momento ele cessa, marcando o fim do período reprodutivo da vida da mulher. A transição afeta as mulheres de forma diferente. A passagem pela fase da menopausa pode ser tranquila ou vir acompanhada de sintomas em graus variados. A menopausa - fim permanente da menstruação e da fertilidade - é normalmente alcançada quando a mulher fica 12 meses sem menstruar. 

Durante essa transição, um declínio nos níveis de estrogênio pode resultar em enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico que ajudam no controle da bexiga, contribuindo para os escapes leves de urina. Embora nem todas as mulheres na menopausa apresentem sintomas de escapes de urina, isso é comum, pois uma em cada três mulheres passa por isso. Entramos em contato com o urologista Jason Gilleran, MD, no Centro de Urologia Feminina Beaumont, na cidade de Royal Oak estado de Michigan, Estados Unidos para ouvir suas ideias sobre como administrar os escapes de urina durante a menopausa. 

"Quanto mais cedo as mulheres tratarem os escapes de urina, melhores serão seus resultados", disse Gilleran. Ao mudar os hábitos que contribuem para os sintomas durante a fase da menopausa, você pode contornar, reverter ou mesmo eliminar esses vazamentos.

 

Procure apoio 

O escape de urina pode melhorar drasticamente em algumas mulheres, fortalecendo os músculos do assoalho pélvico com os exercícios de Kegel. No entanto, dizer a uma mulher para fazer os exercícios de Kegel sem instrução é como mandar alguém para a academia sem dizer a ela como usar o equipamento. O doutor recomenda terapia do assoalho pélvico como o primeiro passo a ser tomado. "Recomendo as mulheres jovens, que estão na perimenopausa e percebem alguns sinais precoces, a procurar um fisioterapeuta do assoalho pélvico", ele disse, "A habilidade na prática dos exercícios de Kegel vai ajudar o paciente a alcançar os resultados com mais naturalidade. Além de serem mais acessíveis que outros tratamentos e não há efeitos colaterais prejudiciais". 

Se você não está recebendo o tipo de apoio que você gostaria de seu médico regular ou ginecologista, seja proativo e peça para ser encaminhado para alguém com treinamento especial, como um fisioterapeuta do assoalho pélvico ou uroginecologista. 

O que mais você pode fazer para prevenir, reverter ou eliminar os escapes de urina na menopausa? O Dr. Gilleran sugere:

 

Pare de fumar

Tabaco contribui para o vazamento da bexiga durante a menopausa.

 

Minimize o ganho de peso.

As mulheres tendem a ganhar peso durante a menopausa. Uma pesquisa observou que mulheres com um peso médio de 90 kg, que perderam 10% do seu peso corporal, tiveram uma redução de 70% na incontinência urinária pela uretra.

 

Dê atenção para a tosse e alergias.

Uma tosse crônica provoca pressão contínua no assoalho pélvico e, com o tempo, pode enfraquecê-lo. Mantenha problemas pulmonares, como tosse persistente e espirros sob controle.

Faça academia.

Existem muitos benefícios em fazer exercícios. Pode até melhorar o seu humor e perspectiva. Alguns pacientes disseram ao Dr. Gilleran: "Eu não deixo incontinência urinária me impedir de fazer exercícios. Eu uso uma almofada e continuo com os exercícios". Outros dizem que não querem ir à academia porque estão conscientes da perda de urina. "Exercícios de alto impacto podem não ser a melhor opção para o assoalho pélvico", disse Gilleran, "Fazer exercícios de fortalecimento dos músculos do núcleo, como pilates ou yoga, é melhor neste caso".

 

Seja gentil consigo mesmo 

Enquanto alguns fatores que contribuem para a incontinência urinária estão sob controle, outros não. "Parto ou histórico familiar que predispõe à problemas, como prolapso, podem contribuir para enfraquecer o assoalho pélvico", disse Gilleran. "Se você tem predisposição, então é mais provável que você desenvolva algum nível de perda de urina após a menopausa." Lembre-se, você não está sozinho. Uma em cada três mulheres possui incontinência urinária, e existem formas cirúrgicas e não-cirúrgicas para administrá-la. 

“Uma vez que a mulher passou pela menopausa completamente, a incontinência urinária é consequência do enfraquecimento do tecido do assoalho pélvico", disse o Dr. Gilleran. "Algumas mulheres chegam com sinais de alterações nos tecidos vaginais, enquanto outras apresentam os tecidos conservados. Após a menopausa, mulheres, de 50 a 60 anos, com os músculos do assoalho pélvico intactos, tendem a ter melhores resultados com a fisioterapia do assoalho pélvico". Quando as mulheres sofrem de incontinência urinária e esperam muito tempo para procurar um fisioterapeuta do assoalho pélvico, é mais provável que a perda do musculo tenha ocorrido. Quanto mais cedo você buscar ajuda e se ajudar, melhores serão os resultados a longo prazo.

 

Quando considerar a cirurgia 

A razão pela qual algumas mulheres optam pela cirurgia é que elas tentaram tratamentos conservadores, como a terapia do assoalho pélvico, e falharam. A cirurgia para incontinência urinária transformou-se ao longo dos anos. "Costumava ser uma cirurgia bastante invasiva envolvendo o levantamento da bexiga o que seria feito através de um corte no abdômen", disse Gilleran, "Agora, quase tudo, é feito através de três pequenas incisões na vagina, às vezes uma incisão já é suficiente. O tipo mais comum é chamado de cirurgia de Sling." 

O objetivo da cirurgia de Sling é colocar um tipo de prancha sob a uretra. Ele age como um mecanismo para estabilizar os tecidos, de modo que, com exercícios, tosse e espirros, a uretra não caia. "Não é projetado para levantá-lo como fizemos no passado, mas evitar que ele caia", disse Gilleran, "Para entender melhor, imagine-se tentando se sentar sem uma cadeira embaixo. A cirurgia é nada mais nada menos do que a colocação da cadeira para você se sentar". 

Em alguns casos, dr. Gilleran prescreve o uso de tampões. Os tampões agem como estabilizadores, eles têm o mesmo papel do Sling, exceto pelo fato de que você os utiliza externamente. Quando as mulheres conseguem controlar as perdas de urina com o uso dos tampões, é sinal de que a cirurgia vai conseguir resolver seu problema”.

 

Controvérsias a respeito da reposição hormonal 

Algumas mulheres se perguntam se a reposição hormonal é a resposta para acabar de vez com a incontinência urinária durante a fase da menopausa. "Do ponto de vista risco/benefício, não é uma prática que eu recomende no meu dia a dia", disse o Dr. Gilleran, "Procuro evitá-los devido as preocupações com câncer de mama, câncer uterino, coágulos sanguíneos, ataque cardíaco, e acidentes vasculares que estão diretamente ligadas à manipulação de hormônios. A reposição hormonal é uma questão muito controversa".

 

Você não está sozinho 

Lidar com a menopausa pode ser um desafio, especialmente quando inclui incontinência urinária. Se você está se sentindo deprimido, resista à vontade de se isolar do mundo. Você não está sozinho. Uma em cada três mulheres possui sintomas de incontinência urinária, são inúmeras mulheres com o mesmo sentimento. Este é um momento para procurar os amigos próximos e familiares. Muitos deles podem estar passando por isso também. Quando você começar a conversar sobre incontinência urinária, você encontrará apoio e empatia nas mulheres de sua vida que passam pela mesma situação. É possível lidar com incontinência urinária e disfrutar da vida ao mesmo tempo. Escolha ser o mais feliz possível e aproveite as aventuras da meia-idade.

 

 

Mais artigos sobre A Vida com Incontinência.
Previous
Next
More Articles
Previous
Diferenças entre menopausa e andropausa
Next
Dicas para superar a insônia na menopausa