Voltar

Incontinência urinária após cesariana ou episiotomia

POR MARILYN SUTTLE

Quando eu acho que aprendi tudo sobre escapes de urina, surge uma conversa que me surpreende. Meu recente “Aha!” veio enquanto eu conversava com a Diretora de Serviços de Terapia, Kristen Maike, PT, no McClarin Oakland Hospital, em Pontiac, Michigan. Você pode se lembrar de Kristen: ela é uma fisioterapeuta do assoalho pélvico, que compartilhou maneiras de fortalecer seu assoalho pélvico na série de podcasts Woman to Woman.

Se você já teve uma episiotomia ou cesariana - mesmo que tenha sido há muitos anos - este post é para você. Nós, mulheres, sabemos que após o parto, precisamos de tempo para nos recuperar, especialmente se o parto envolver um procedimento cirúrgico. O que você pode não saber é que, durante o processo de cicatrização, tanto as cicatrizes de cesariana quanto de episiotomia podem levar a incontinência urinária.

Uma cicatriz de cesariana pode prender-se à parede frontal da bexiga, provocando incontinência de urgência (aquela forte necessidade de ir ao banheiro). "Como tudo volta ao lugar e encolhe após o nascimento, a cicatriz começa a puxar a bexiga, fazendo sentir como se você tivesse que fazer xixi", disse Kristen.

Uma cicatriz de episiotomia pode tornar o assoalho pélvico ineficiente e fraco. Kristen explicou: “Durante uma episiotomia, o médico corta as fibras dos músculos do assoalho pélvico. Quando costurar novamente, você pode acabar tendo áreas que também não vão se contrair, devido às fibras musculares quebradas. Nem todas as mulheres que fazem episiotomia ou cesariana acabam desenvolvendo incontinência urinária. Mas quando as cicatrizes se prendem à bexiga ou atrapalham o movimento total, suas chances aumentam”.

Muitos dos pacientes de Kristen procuram atendimento por notarem que estão com escapes de urina resultantes de episiotomia ou cesariana. A grande novidade é que a maioria dessas mulheres vê melhorias - ou cessa completamente a incontinência - recebendo fisioterapia no assoalho pélvico, mesmo anos após o parto. Uma de suas pacientes é uma linda mulher, de 50 anos, que tinha uma bexiga hiperativa por três anos. Apesar de estar tomando remédios para tratar, ela se viu saindo da cama cinco a seis vezes por noite para ir ao banheiro. Kristen notou que sua paciente tinha uma cicatriz de cesariana de 30 anos de idade. Após cerca de três semanas de tratamentos, para remover a cicatriz e afastá-la da bexiga, ela começou a dormir seis horas e manteve isso. “Ela costumava ter uma hora e meia de sono, no máximo”, disse Kristen. Kristen recomenda que você sinta sua cicatriz. “Se for espessa e não se mover, ela se prendeu ao tecido ao redor da bexiga e então, é necessário esticar e mobilizar o tecido sob e ao redor da cicatriz”, disse ela. É uma maneira não-cirúrgica e não invasiva de obter alívio. Há coisas que você pode fazer para administrar a incontinência leve - antes, durante e muito depois de ter dado à luz.

 

Aqui estão algumas dicas de Kristen:

Antes de dar à luz: familiarize-se com a área do assoalho pélvico e aprenda a fortalecê-la. “A maioria das mulheres não percebe que tem um assoalho pélvico. Metade das minhas pacientes, se não mais, acha que está fazendo exercícios de Kegel corretamente, mas não está. Muitas estão fazendo exatamente o oposto”, disse Kristen. Vale a pena verificar com seu médico ou fisioterapeuta do assoalho pélvico. Kristen diz que há muitas maneiras de garantir que você esteja fazendo exercícios de Kegel corretamente - usando uma máquina de biofeedback para medir a força de suas contrações de Kegel ou, simplesmente, usando seu dedo para sentir o aperto.

 

Durante o parto: caso seja um parto vaginal normal, você faz muito esforço. Mas para que o bebê saia, os músculos do assoalho pélvico precisam relaxar. Quando você consegue relaxar os músculos, é mais fácil para eles se alongarem. Caso contrário, você o romperá ou o médico escolherá cortá-lo. Se você conseguir relaxar esses músculos, terá uma boa chance de evitar uma episiotomia. No entanto, não é uma garantia. O corpo de cada mulher é diferente e há outros fatores também - como o tamanho do seu bebê, por exemplo.

 

Depois de dar à luz: depois que você teve seu bebê e seu médico a liberou para todas as atividades, é hora de garantir que você possa engajar seu assoalho pélvico. Isso pode ser feito com exercícios como Kegel, ioga, caminhada ou pilates. “Se os escapes de urina continuarem, sentir dor ou sentir um forte desejo de urinar, converse com seu médico. Quanto mais cedo você resolver, mais fácil será para você”, disse Kristen. Ela sugere que você faça perguntas e informe ao seu médico o que você quer dizer: "Estou lendo sobre fisioterapia para incontinência e gostaria de me consultar com um fisioterapeuta do assoalho pélvico. Você poderia me preescrever um encaminhamento para ir até um?”. Se você continuar com a incontinência quando tossir, rir ou espirrar, um fisioterapeuta verificará se o assoalho pélvico está muito fraco ou muito apertado. Seu assoalho pélvico precisa ter uma amplitude de movimento. Para entender por que isso acontece, tente o seguinte: segure seu pulso diretamente na sua frente e faça um punho firme. Note como isso foi fácil. Tente novamente, só que desta vez, dobre seu pulso em sua direção primeiro e tente fazer um soco. Você percebeu que não é tão forte e é mais difícil de fazer? “Isso é porque os músculos já estavam encurtados. Isto é o que acontece com o seu assoalho pélvico quando está muito apertado. Você não obtém o poder que precisa quando precisa”, disse Kristen. Músculos tensos podem acontecer por vários motivos. Por exemplo, algumas mulheres entram em um padrão de constantemente puxando para cima e segurando os músculos por medo de urinar. Quando elas sentem um grande espirro vindo, elas não têm energia suficiente e movimento nesses músculos para impedir a saída da urina, e assim, acabam se molhando. A única maneira de realmente saber se seus músculos estão tensos é com um exame pélvico. “Na França, a fisioterapia do assoalho pélvico é oferecida a todas as mulheres, antes e depois do parto. Nos EUA, muitas mulheres nem sabem que estão disponíveis para elas", disse Kristen. É importante cuidar do seu atendimento médico e conversar com seu médico. Um dos maiores prazeres de Kristen é ajudar as mulheres a melhorar sua qualidade de vida. Quando perguntei o que ela queria que as mulheres soubessem sobre a consulta com um fisioterapeuta do assoalho pélvico, ela disse: “Não há prêmio pelo sofrimento. Há muitas opções para você lidar com a incontinência urinária leve. Somos todos legais e todos fazem o melhor para que você se sinta confortável conosco”.

E quanto a você? Você já conversou com um profissional médico sobre escapes de urina e como sua episiotomia ou cicatriz de cesariana pode estar te afetando?

Mais artigos sobre A Vida com Incontinência.
Previous
Next
More Articles
Previous
Fatores de risco para desenvolvimento do câncer de próstata
Next
Escapes de urina em público: dicas para a mulher moderna lidar com essa condição