Voltar

Dor durante o sexo: causas e cuidados.

POR MARILYN SUTTLE

O sexo é um assunto delicado. As mulheres me dizem que estão com vergonha de conversar com seus parceiros ou médicos, sobre certas coisas com as quais se preocupam, como sentir corrimento ou dor durante momentos íntimos.

Para ajudar com o tema, eu tive uma conversa com a Jessica L. McKinney, PT, MS. Ela ajuda mulheres com problemas no assoalho pélvico e é co-fundadora e diretora do Centro para a Saúde da Mulher na Maratona, Fisioterapia e Medicina Esportiva, LLC e Diretora Executiva da Mulheres em ação. Como muitas mulheres se preocupam com as reações que podem receber dos profissionais da área médica, perguntei a ela: “O que passa pela sua cabeça quando uma mulher lhe diz que o sexo é doloroso? Você já julgou a situação ou o direito de se preocupar?”. Sua resposta: "De modo nenhum!!! Eu penso: "Graças a Deus você veio nos ver! Meu objetivo é ajudá-la a fazer qualquer coisa que você queira fazer sexualmente. Você está confiando em nós e não há espaço para julgamento. Nós nos sentimos tão fortes, que você não deveria ter vergonha de querer que esta parte do seu corpo funcione. Por que uma torção de tornozelo deve ser tratada, mas não isso? Nós entendemos como isso pode ser embaraçoso e você merece cuidar”.

Profissionais como Jessica, que se especializam nessa área da saúde da mulher, têm o conhecimento e a empatia necessários para ajudar as mulheres a se tornarem fortes, capacitadas e informadas sobre sua saúde pélvica.

 

Diferentes causas: existem muitos fatores diferentes que podem levar a dor ou corrimento. “Para algumas mulheres, uma infecção da bexiga ou levedura, pode levar à dor temporária com o sexo”, Jessica disse, “Algumas mulheres podem sentir dores lombares de longa duração, que acabam criando mudanças suficientes nos músculos e no alinhamento do corpo, desenvolvendo dor dentro da pelve. Encontrar a causa e a solução apropriada é algo que Jessica experimentou em primeira mão, e ela é apaixonada por ajudar os outros. “Eu me importo muito. Se não fosse assim, não faria o que faço “, Jessica disse.

 

Quando a dor começou?: para algumas mulheres, a dor durante o sexo é nova. Para as outras, é algo que elas sempre experimentaram. "Elas ouviram que 'a primeira vez' pode ser dolorosa, então elas não questionaram, mesmo quando a dor não desapareceu", disse Jessica. Ela ajuda as mulheres a desmistificar e entender a dor que sentem - o que desencadeia, o que provavelmente causou isso e como elas podem ajudar a controlá-las. Devido às mudanças hormonais e estruturais rápidas e dramáticas, associadas a cada período de tempo, um momento comum para sentir dor e corrimento é após o parto ou durante a menopausa. No entanto, não é a única vez. Mulheres mais jovens e aquelas que nunca tiveram filhos também podem vivenciar isso. Buscar ajuda de um profissional médico qualificado, é um passo importante para mantê-la sob controle.

 

Parto: muitas mulheres buscam a Jessica quando seu filho mais novo tem cinco ou seis anos, e dizem que notaram mudanças “lá embaixo”. Em alguns casos, o tecido cicatricial doloroso é parte da causa, como uma ruptura perineal ou uma episiotomia que é curada, mas ainda fica firme e dolorosa quando esticada. A tensão nos músculos do assoalho pélvico pode se desenvolver por várias razões e, frequentemente, pode ser uma fonte de dor. “Usamos técnicas manuais para relaxar esses músculos e oferecer exercícios de conscientização, para proporcionar mais mobilidade e alívio às mulheres”, disse ela. Quando elas finalmente procuram ajuda, elas perguntam: “Você quer dizer que eu não sou louca?” Jessica frequentemente diz a elas: “Claro que não! Você tem fraqueza, aperto ou desequilíbrio de seus músculos e tecidos conjuntivos, e só precisamos abordar essas coisas. ”

 

Durante a menopausa: alterações hormonais e teciduais são comuns durante a menopausa. “Se a dor começar por volta desse período da vida, pode ser devido a uma perda de elasticidade e plenitude no tecido e menor lubrificação. Mudanças no desejo sexual também são comuns ”, explicou Jessica. Ir até um especialista em menopausa pode ajudá-lo a escolher a melhor abordagem para administrá-la. As opções podem incluir reposição hormonal local (aplicada diretamente na vagina) ou terapias alternativas, como acupuntura ou modificações nutricionais. Secura vaginal, especificamente, pode ser uma condição irritante e também pode ser uma causa de sexo doloroso. Jessica concorda com especialistas que insistem que toda mulher deve usar lubrificante, e também recomenda o uso de um hidratante vaginal. Ela diz: “O uso de um lubrificante é importante para praticamente todas as mulheres. Deve estar prontamente disponível e usado sem constrangimento para a atividade sexual. ”

 

Mudanças estruturais: os sintomas de peso ou pressão desconfortáveis na área pélvica são, frequentemente, associados a mudanças estruturais no sistema de suporte pélvico, que levam ao prolapso dos órgãos pélvicos. Jessica encoraja as mulheres a falar com um médico logo após perceberem tais sintomas, porque “O prolapso não é algo que desaparece como um resfriado ou uma entorse. É uma mudança estrutural, uma questão mecânica”, disse ela. “Pense em um carro que está fazendo um barulho suspeito, mas ainda está funcionando. Você leva para a loja para fazer o check-out porque você sabe que o ruído é um indicador de um problema em algum lugar do sistema e não se resolve ignorando-o. Você e seu médico podem optar por não fazer nada e apenas monitorar um prolapso ao longo do tempo, ou pode escolher uma intervenção conservadora, como um pessário - um pequeno dispositivo, que funciona como um aparelho dentro da vagina. Ele vem em tamanhos diferentes e fornece suporte onde você não tem suporte. Isso não conserta um prolapso”, Jessica disse, “mas pode evitar que piore. Em certas circunstâncias, a cirurgia pode ser recomendada”. A fisioterapia também é uma boa opção para mulheres, que sofrem de prolapso de órgãos pélvicos. “Um fisioterapeuta do assoalho pélvico revisa os hábitos que você adquiriu ao longo dos anos, que podem estar afetando sua bexiga e outros órgãos pélvicos - hábitos como a maneira de pegar uma criança, lavar sua roupa, ou levantar suas compras”, disse Jessica. Um fisioterapeuta do assoalho pélvico irá rever a maneira como você se exercita, quando acontece o corrimento, e qualquer coisa que você esteja fazendo que o coloque em risco de progresso do prolapso, então você pode assumir alguma responsabilidade e controlá-lo. Jessica sugere que posições que diminuem a gravidade podem ser úteis (como usar travesseiros sob os quadris para colocar a pélvis mais alta que o abdômen, por exemplo).

 

Dor emocional: a dor física pode levar à dor emocional. "Estes sintomas não estão na sua cabeça, mas eles podem entrar na sua cabeça", disse Jessica, "experimentando corrimento e dor durante o sexo, pode desafiar a identidade de uma mulher e sentimentos de auto-estima." Quando as mulheres têm experiências dolorosas, elas podem começar a antecipar a dor. A antecipação sozinha pode fazer com que os músculos se contraiam, criando dores físicas.

 

Controle a resposta da dor: então, o que você pode fazer se estiver sentindo dor? “Procure escolher uma posição que lhe permita controlar a velocidade e a profundidade da penetração (se estiver envolvido em atividade sexual com penetração). Você também pode usar dispositivos de massagem mecânica, para ajudar a dessensibilizar os tecidos e acalmar a resposta à dor”, disse Jessica,“Eles também podem ser úteis para explorar seus limites (para atividade sexual sem dor) e não há parceiro para decepcionar-se”. Jessica também recomenda mudanças de comportamento, como concordar antes de ir para a "1ª base" com um parceiro em uma ocasião específica, ou de outra maneira, fazer qualquer preliminar e atividade sexual devagar e com cuidado. Ser capaz de relaxar e sentir-se mais no controle da situação ajudará a controlar e responder à dor.

 

Seja persistente: a coisa mais importante que Jessica quer que as mulheres saibam é isso - não há problema em não aceitar que o sexo tenha que ser doloroso. Você não deveria ter que sorrir e suportar isso. Deve ser prazeroso para você também. Se você se aproxima de um médico que não tem respostas para o que necessita, solicite uma indicação. Peça para ver um fisioterapeuta do assoalho pélvico, um uroginocólogo, um especialista vulvovaginal ou um profissional de enfermagem especializado em problemas de saúde pélvica. Por ser persistente, você encontrará os recursos de que precisa para começar a desfrutar de seus relacionamentos íntimos.

 

E você? já procurou a ajuda de um especialista em assoalho pélvico?

 

 

Mais artigos sobre A Vida com Incontinência.
Previous
Next
More Articles
Previous
Boa comida, bom vinho, bom sexo, adeus!
Next
Manter o Desejo Sexual após o Desequilíbrio Hormonal